leituras obrigatórias ufrgs 2021

12 Leituras obrigatórias Vestibular UFRGS 2021 + Dicas sobre cada obra

Quem quer estudar na melhor universidade federal do país tem que ficar ligado: a lista de leituras obrigatórias da UFRGS 2021 já foi divulgada.

As provas do Vestibular 2021 da UFRGS estão marcadas para o fim do ano e têm o mesmo formato das últimas edições, divididas em dois finais de semana: 28 e 29 de novembro e 5 e 6 de dezembro de 2020.

Pode parecer um longo período até lá, mas não é. Por ser uma das universidades mais concorridas do país, quanto antes você começar a estudar, mais chances terá de passar no Vestibular da UFRGS.

Uma boa estratégia é começar pelas leituras obrigatórias para a prova de Literatura em Língua Portuguesa.

A seguir, veja o que mudou em relação à lista do ano passado e confira um resumo de todas as obras do próximo Vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O que mudou em relação às leituras de 2020

Cada livro selecionado permanece por três vestibulares na lista de leituras da prova de Literatura da UFRGS. Por ano, quatro obras são renovadas e oito permanecem os mesmos. Por isso, vale a pena conferir as últimas provas na hora de estudar!

Entre as quatro obras acrescentadas para o próximo vestibular estão os livros Caderno de memórias coloniais (Isabela Figueiredo), Ponciá Vicêncio (Conceição Evaristo) e Deixa o quarto como está (Amílcar Bettega).

A curiosidade é a inclusão do álbum Construção (1971), de Chico Buarque. É um costume que vem sendo adotado pela universidade gaúcha desde 2915.

Aliás, as trocas na lista são pensadas de forma a abordar pelo menos uma obra de cada gênero literário: conto, romance, poesia e teatro, além da canção.

Também existe a preocupação de incluir pelo menos um artista gaúcho para contemplar a literatura regional, e um português, pois é de onde nasce a literatura brasileira.

12 leituras obrigatórias para o Vestibular UFRGS 2021

Veja, a seguir, um breve resumo e alguns comentários sobre cada uma das 12 obras que cairão nas provas deste ano. Além de dicas que poderão te ajudar a estudar!

1) Isabela Figueiredo, Caderno de memórias coloniais

Isabela Figueiredo, Caderno de memórias coloniais

Publicado originalmente no ano de 2009, em Portugal, o livro foi lançado no Brasil pela editora Todavia em 2018. Relata a história de uma menina a caminho da adolescência, que viveu essa fase da vida no período tumultuoso do final do Império colonial português na África.

Autobiográfica, a obra é considerado um “acerto de contas” da autora com o brutal colonialismo e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique que, assim como o seu país de origem,  desprezava os nativos negros.

Toda a narrativa nasceu de um blog da autora, onde trazia à tona as questões reais e duras do passado, como a exploração da população local (negra) e o racismo. Por isso, o livro mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção.

#FicaaDica

Quem já leu conta que, quando começa, é impossível parar de ler! Por isso, talvez, seja uma boa opção para começar os estudos do Vestibular!

2) Chico Buarque, Construção

Chico Buarque, Construção

Lançado em 1971 e composto em períodos entre o exílio de Chico na Itália e sua volta ao Brasil, o álbum com 10 músicas é carregado de críticas ao regime militar vigente.

Músicas como “Cordão” falam sobre a censura imposta pelo governo. “Construção” (que dá nome ao disco) destaca o estado indigno no qual as condições individuais se encontravam no país e fala sobre um homem que trabalhou arduamente até sua morte.

Samba de Orly“, parceria com Toquinho e Vinicius de Moraes, fala abertamente sobre o exílio – o que fez com que a canção fosse parcialmente censurada. Há outras canções mais clássicas e pessoais, como “Cotidiano”, “Valsinha” e “Minha História”, que marcaram a carreira de Chico.

#FicaaDica

É um álbum intenso e com letras profundas – ainda assim, é um disco! É música! Tente ouvi-lo aos poucos, entre uma leitura obrigatória e outra. Ouça, acompanhe a letra e faça anotações.

pré-vestibular Unificado

3) Conceição Evaristo, Ponciá Vicêncio

Conceição Evaristo, Ponciá Vicêncio

Publicada em 2003, é uma obra circular. A história, o tempo e o espaço narrativos constituem elementos interligados pela memória de Ponciá, cujos caminhos, marcas, sonhos e desencantos são contados da infância à idade adulta.

A protagonista que dá nome ao livro é uma mulher negra descendente de escravos africanos e que vive a era pós-abolição no Brasil, ou pelo menos em teoria. Ela mesma conta:

“A vida escrava continua até os dias de hoje. Sim, ela era escrava também. Escrava de uma condição de vida que se repetia. Escrava do desespero da falta de esperança, da impossibilidade de travar novas batalhas, de organizar novos quilombos de inventar outra e nova vida”.

#Ficaadica

Também é um livro recheado de história, ainda que ficcional, que fala da vida de uma mulher e negra. Mas também é um romance em prosa com muita linguagem poética.

4) Amílcar Bettega, Deixa o quarto como está

Amílcar Bettega, Deixa o quarto como está

Publicado pela primeira vez em 2002, a obra é uma coletânea de 14 contos em que o real e o fantástico se confundem, com diferentes modos de apresentar os enredos, os personagens e a ambientação.

Um homem toma um trem para sair da cidade, mas não consegue deixa o perímetro urbano. As muralhas de uma antigo povoado começam a se movimentar. Uma casa redesenha a própria arquitetura como se estivesse viva.

Essas são algumas das histórias em que as situações mais absurdas são descritas com naturalidade. O livro ficou esgotado por quase uma década e foi recentemente relançado exclusivamente em versão digital.

#Ficaadica

Quase todos os contos deste livro pertencem ao gênero fantástico e, como sugere o subtítulo do livro – “estudos para a composição do cansaço” -, os personagens encontram-se em situações extremamente rotineiras e demonstram-se cansadas demais para mudar sua postura diante dos fatos que lhes incomodam.

5) Adélia Prado, Bagagem

Adélia Prado, Bagagem

É o livro de estreia da escritora cearense Adélia Prado e foi publicado em 1976 sob recomendação de ninguém menos que Carlos Drummond de Andrade.

Bagagem” é dividida em quatro grandes seções, com poemas de tamanhos e temas variados. O fazer poético, o papel da autora como mulher e poetisa, o amor e a memória são alguns deles.

Também há presença religiosa nas epígrafes de cada parte do livro, que são trechos retirados da Bíblia, e nos inúmeros poemas com menções a Deus.

#Ficaadica

Adélia Prado nasce de um movimento dos poetas mineiros que pretendia resgatar o lirismo na literatura brasileira e há um forte caráter feminista e de luta nos poemas de “Bagagem.”

6) Graciliano Ramos, São Bernardo

Graciliano Ramos, São Bernardo

É um clássico da segunda fase da literatura modernista. Ao longo dos 36 capítulos, ficamos conhecendo o protagonista Paulo Honório – que narra a história em primeira pessoa – e a dura vida no interior do nordeste brasileiro.

Publicada em 1934, a obra apresenta a opressão do ponto de vista do opressor, mas não se restringe a isso. Fugindo de qualquer estereótipo, dá vida ao narrador, um fazendeiro, com medos, tensões, contradições, enfim, vida.

O romance se passa em Viçosa, no Alagoas, em plena Era Vargas (1930 a 1945). E Paulo Honório usufrui de algumas benesses do poder, sustentando-o com seu dinheiro e seus favores. Desse modo, o poder é visto por dentro.

#Ficaadica

São Bernardo virou filme no ano de 1971. Além de ter ótimas críticas e, portanto, ser um ótimo lazer, é mais uma maneira de você se apropriar da obra e estudar para o Vestibular.

O filme pode ser encontrado no Youtube. Confira: 

7) Lygia Fagundes Telles, As meninas

Lygia Fagundes Telles, As meninas

Lia, Ana e Lorena são as personagens principais do romance. Embora muito diferentes, as universitárias moram juntas em um pensionato de freiras, compartilham experiências e se apoiam mutuamente.

Suas conversas e pensamentos reproduzem os costumes e assuntos da década de 1970 – em plena Ditadura Militar -: radicalização política; liberação sexual da mulher; experiências com alucinógenos; e preferências musicais.

Por isso, é considerada uma obra de grande coragem na época de seu lançamento (1973), por descrever uma sessão de tortura quando o assunto era rigorosamente proibido.

#Ficaadica

Lygia Fagundes Telles apresenta técnica literária diferenciada: utiliza diversos focos narrativos para contar a história. Ora está em primeira pessoa, trazendo diretamente os pensamentos das amigas; ora em terceira pessoa, com sentimentos, conflitos e impressões em discurso indireto livre.

pré-vestibular Unificado

8) Marcelo Rubens Paiva, Feliz ano velho

Marcelo Rubens Paiva, Feliz ano velho

É o primeiro livro do renomado escritor. Publicado originalmente em 1982, é uma autobiografia que relata o acidente que deixou Marcelo Ruben Paiva tetraplégico, poucos dias antes do Natal de 1979.

Jovem paulista de classe média alta, em plena Ditadura Militar, o autor vê sua vida se transformar num pesadelo durante um passeio com um grupo de amigos. Ao mergulhar em um lago de meio metro de profundidade, quebra uma vértebra quebrada – e o corpo não responde mais.

Apesar do tema trágico que é a luta de um homem para se inserir novamente na sociedade, “Feliz Ano Velho” tem momentos de humor, ternura e erotismo. Marcelo se encarrega de colocar em palavras a relação de amor e respeito à mãe, o carinho das irmãs, a camaradagem e o encorajamento da turma, as festas e fantasias sexuais.

#Ficaadica

Foi um best-seller da década de 1980, principalmente por sua linguagem livre e coloquial. A obra teve várias adaptações para o teatro e gerou um filme em 1987 – que está disponível n no YouTube. Confira o Trailer:

9) Florbela Espanca, seleção de poemas

Florbela Espanca, seleção de poemas

Pioneira na escrita feminista em Portugal, a poetisa Florbela Espanca é conhecida por contos e sonetos que marcaram a literatura feminina.

A professora do Instituto de Letras da UFRGS Jane Tutikian ressalta cinco pontos essenciais para estudar a obra da escritora: a forma usada (o soneto), o tema (amor) e três características de seu comportamento, o erotismo, o narcisismo e o don-juanismo.

A lista de leituras obrigatórias da UFRGS traz 22 poemas para o exame, são eles:

1. Fanatismo
2. Horas rubras
3. Eu
4. Vaidade
5. Lágrimas ocultas
6. A minha dor
7. Suavidade
8. Se tu viesses ver-me
9. Ser poeta
10. Fumo
11. Frêmito do meu corpo
12. Realidade
13. Súplica
14. Doce certeza
15. Quem sabe?!…
16. A Mulher I
17. A Mulher II
18. Amiga
19. Ódio
20. Amar!
21. O maior bem
22. Neurastenia.

#Ficaadica

A UFRGS mesmo disponibiliza o item 13 (Soneto Súplica) para fazer download. Mas há muitos sites que oferecem toda a lista para baixar. É só procurar!

10) Machado de Assis, Papéis avulsos

Machado de Assis, Papéis avulsos

É o terceiro livro de Machado de Assis e foi lançado em 1882. Ao lado de Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), a obra é um marco na carreira do escritor e inaugura sua fase realista.

O título do livro, que remete a uma casualidade na estrutura dos contos ali reunidos, deixa transparecer a ironia típica de Machado: por mais que as histórias reunidas sejam “independentes” entre si, elas também estão unidas dentro de um mesmo molde e seus temas são analógicos.

Em “Papéis avulsos”, o autor utiliza de grande ironia e um pouco de pessimismo para tratar a respeito da contradição entre ser e parecer, entre vida pública e vida interior/íntima, entre a máscara e o desejo.

Estes serão temas clássicos e fundamentais dos contos, sendo os principais “O Alienista”, “Teoria do medalhão”, “O segredo do bonzo” e “O Espelho”.

#Ficaadica

Pensando no vestibular, vale a pena focar na construção das personagens, principalmente no que se refere aos aspectos morais e psicológicos, e também buscar questões típicas de Machado de Assis, como o rompimento da tradicional sequência linear do enredo, as constantes digressões, a multiplicidade e fragmentação dos episódios, a metalinguagem, etc.

11)  Maria Firmina dos Reis, Úrsula

Maria Firmina dos Reis, Úrsula

A princípio, o livro parece ser mais um com o típico triângulo amoroso entre três brancos: Úrsula (a jovem humilde e desamparada), Tancredo (o homem afortunado e bem apessoado) e o tio de Úrsula (o vilão sem escrúpulos).

Mas os três personagens que realmente ganham a trama – Túlio, Susana e Antero – são três escravos negros, que questionam, agem e acima de tudo contam a história de um Brasil, até então, não plenamente representado: o Brasil escravocrata.

Publicado em 1859, Úrsula não só o primeiro romance publicado por uma mulher negra na língua portuguesa, foi também o primeiro livro de crítica à escravidão por meio da humanização de personagens negros e escravizados.

#Ficaadica

Em nova edição crítica da editora Taverna, o livro inclui ilustrações, prefácio e posfácio de professores-pesquisadores e paratextos de uma historiadora, de uma escritora e de um crítico literário.

12) William Shakespeare, Hamlet

William Shakespeare, Hamlet

“Ser ou não ser, eis a questão.” Essa famosa expressão, mais de 300 anos depois de ser publicada, segue recebendo diversas interpretações. Ela faz parte da tragédia de Shakespeare mais adaptada e encenada em palcos de todo o mundo.

Hamlet é o único texto selecionado do Vestibular da UFRGS que não pertence à literatura de língua portuguesa.

A obra dramática se passa na Dinamarca do século IX e é construída em cinco atos. Depois de voltar da Inglaterra, o jovem príncipe Hamlet fica sabendo que o fantasma de seu pai tem rondado o reino para falar com ele.

Quando o antigo rei conta que Cláudio, seu irmão, agora casado com a mãe do príncipe, o assassinou para roubar o trono, Hamlet começa a fingir-se de louco para arquitetar sua vingança, que culmina na morte de quase todas as personagens principais.

A peça explora temas como traição, vingança, sátira e corrupção ao decorrer da história do jovem príncipe da Dinamarca, o Príncipe Hamlet.

#Ficaadica

Por ser mundialmente famosa, a peça de Hamlet tem um milhão de textos, resumos, resenhas, vídeos e o que mais você quiser para ajudar a estudar. Mas, talvez esse sucesso todo exija que se debruce ainda mais sobre o texto!

Prepare-se para o vestibular

Ufa! São doze obras nada convencionais no caminho de quem deseja ingressar na UFRGS que até trazer resumos e dar dicas se torna uma árdua tarefa.

Por isso, leia, releia e re-re-leia as obras na lista de leituras obrigatórias UFRGS 2021.

Ainda assim, não exite em procurar um bom curso pré-vestibular para garantir que você estará bem preparado para as provas.

Afinal, além de uma das melhores universidades federais do país, a UFRGS também é uma das mais concorridas. Boa sorte!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail e turbinar seus estudos!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.